quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

O Testamento de Benjamin, filho de Jacó




O testamento de Benjamin, filho de Jacó

1
       Cópia das palavras que Benjamin ordenou aos seus filhos para que as observassem. Ele tinha cento e vinte e cinco anos, e depois de beijar a cada um deles, disse:
        Assim como Isaque nasceu a Abraão em sua velhice, eu também fui gerado em Jacó. Minha mãe Raquel morreu durante o meu nascimento e eu não tinha como ser alimentado; portanto, tive de mamar em Bila, que era criada de Raquel.
       Minha mãe ficou estéril por doze anos após ter dado a luz a José, Mas orou ao Senhor com jejuns durante doze dias, até que engravidou e concebeu a mim. Meu pai amava a Raquel com ternura e orava para que pudesse ver dois filhos nascerem dela. Portanto, eu fui chamado Benjamin, que significa “Minha força”.

2
       Quando fui ao Egito a encontrar-me com José e o meu coração se derreteu, ele me perguntou: Que disseram meus irmãos a Jacó depois que eles me venderam? E eu lhe disse: Eles salpicaram a tua túnica com sangue e a enviaram a Jacó, dizendo-lhe: Vê se esta não é a túnica colorida que tu compraste para o teu filho! (porque eles diziam: um leão o matou no campo).
       Ao ouvir isso José me falou: Vê que eles não mentiram a esse respeito, porque quando os mercadores ismaelitas me tomaram de suas mãos, um deles arrancou-me a roupa que eu usava e depois me deu uma surra com o seu cinto. Mas quando se afastava para esconder as minhas roupas, eis que apareceu um leão e o matou. Então seus amigos temeram muito, e me venderam a um deles mesmos.

3
       Façam a mesma coisa, meus filhos: amem ao Deus do céu e guardem os seus mandamentos, e procurem em tudo imitar ao santo homem que foi José. A vossa disposição seja apenas para o bem, pois assim tenho eu agido até ao dia de hoje. Aquele que tem uma mente limpa consegue enxergar o lado justo das coisas; temei ao Senhor e ameis aos vossos semelhantes, e ainda que os espíritos de Satanás vos conduzam à maldade, ela jamais terá poder sobre vós, pois também não teve sobre José.
       Quantas vezes os homens tentaram matá-lo, e ainda assim o Senhor saiu em sua defesa! Porque aquele que ama ao Senhor e ao seu próximo não pode ser atingido pelos espíritos malignos que povoam o ar, pois o temor do Senhor é que o protege. Ele também não será surpreendido pelos projetos humanos, nem pelas emboscadas de bestas selvagens; ele é guardado pelo amor do Senhor, o qual se revela através do seu trato para com o próximo.
       José pediu a Jacó que orasse por seus irmãos, a fim de que não lhes fosse imputada a culpa pelo mal que lhe fizeram. Então Jacó exclamou: Meu bom menino, tu tens prevalecido contra as entranhas de teu pai! E abraçou-o e beijou-o durante duas horas. E disse-lhe: Em ti se cumprirão todas as profecias referentes ao Cordeiro de Deus que há de salvar o mundo. Uma vítima imaculada, oferecida pelos transgressores, pois será entregue à morte pela traição de um homem ímpio. Seu sangue será o pacto para a salvação das nações a partir de Israel. Ele é o que destruirá a Belial e seus servidores.

4
       Meus filhos, vocês sabem qual deve ser o fim de todo homem bom? Ele deve seguir a compaixão divina com uma boa consciência, a fim de que também possa usar a coroa de glória. Um homem bom não tem olhos tenebrosos; ele mostra misericórdia a todos os homens, mesmo que eles sejam pecadores, ou que estejam tramando o mal contra ele. Quem pratica o bem, vence o mal, e será defendido por aquele que é bom, pois ama ao justo como à sua própria alma.
       Se alguém é glorificado, ele não o inveja; se alguém enriquece, ele não lhe cresce os olhos; se alguém é valoroso, ele ora em seu favor; ele é misericordioso com o pobre e é gentil com o necessitado; ele canta louvores a Deus, pois é temente ao Senhor; aquele que ama a Deus será protegido por Ele; se alguém rejeita ao Altíssimo, ele o admoesta e o faz voltar atrás; ele ama como a si mesmo aquele que tem um bom espírito.

5
       Meus filhos, se vocês tiverem uma mente pura, então até o homem perverso terá paz convosco, e aquele que é imoral terá respeito por vós e se voltará para o bem, de modo que a cobiça e seus maus intentos não serão apenas banidos, mas se transformarão em frutos de amor para aqueles que são afligidos.
       Se vocês praticarem o bem, os espíritos imundos fugirão de vossa presença. Sim, até as bestas se esconderão de vós. Porque onde existe respeito pelas boas obras, também haverá luz para a mente. Se alguém faz violência a um santo homem, é certo que se arrependerá, porque o santo homem é misericordioso para com aquele que o ofende, e não lhe nega a paz. Se acontecer de algum de vocês trair a um homem justo, ele será humilhado por pouco tempo, mas logo ressurgirá com maior glória, pois assim aconteceu ao meu irmão José.

6
       A inclinação de um homem bom não provém da influência dos espíritos de Belial, pois ele é guiado pelo anjo da paz. Ele não se ocupa com coisas corruptíveis, nem acumula riquezas para gastar com os prazeres; ele não se deleita com os vícios; ele não oprime ao seu próximo; ele não se deixa enganar com presentes, nem permite que o orgulho lhe tape os olhos, e sabe que o seu galardão vem do Senhor.
       Uma mente pura não aceita a glória nem a desonra dos homens, nem se dá ao engano ou a mentira, nem luta por rivalidade carnal, pois Deus tem iluminado a sua alma, de sorte que desejará estar em paz com todos os homens.
       Quem tem a mente pura não pode possuir duas línguas, sendo uma para abençoar, e outra para amaldiçoar; uma para honrar, e outra para insultar; uma para o infortúnio, e outra para a alegria; uma para a calma, e outra para a inquietação; uma para a verdade, e outra para a hipocrisia; uma para a riqueza, e outra para a pobreza. Sua única inclinação é incorruptível para com todos os homens. Sendo assim, ele não enxerga as coisas de duas maneiras, nem ouve de duas maneiras, pois em tudo o que faz, reconhece que está sendo vigiado pelo Altíssimo. É por isso que preserva pura a sua mente, a fim de não ser condenado diante de Deus e dos homens. Quanto àquele que serve a Belial, suas obras são de duas faces, pois só trabalha com duplo sentido.

7
       Fujam, meus filhos, de todas as obras más, pois procedem de Belial, o demônio que dá uma espada a todos aqueles que o obedecem. Essa espada é a mãe de sete maldades. A primeira delas é ter a mente conforme a eficácia do próprio demônio, que é o mesmo que inclinar-se para a inveja. A segunda é o desespero. A terceira é a tribulação. A quarta é o cativeiro. A quinta é a privação. A sexta é o problema. A sétima é o abandono.
       Lembrem-se de Caim, a quem Deus vingou sete vezes, pois a cada cem anos o Senhor fazia cair um flagelo sobre ele. Aos duzentos anos ele padeceu, e aos novecentos foi arrastado pela inundação do dilúvio, por causa da justiça, pois exigia que o sangue de Abel fosse vingado. Portanto, por setecentos anos foi Caim castigado; quanto a Lameque, foi vingado setenta vezes sete. Porque todos aqueles que são imitadores de Caim em inveja e ódio contra o seu irmão, serão punidos com a mesma condenação.

8
       Evitem as obras más, e a inveja, e a ira contra vossos irmãos, e busquem a bondade e o amor. Se alguém tem uma mente pura, jamais atentará para uma mulher com o olhar de lascívia, pois no seu coração não está a fornicação, e o espírito de Deus nele habita. Porque assim como a luz do sol não se corrompe com o esterco e com a lama, antes os seca e extrai-lhes o mau cheiro, assim também opera a mente pura, expelindo as corrupções que há no mundo, e a si mesma purifica do mal.

9
       Agora me ocuparei com as palavras de Enoque, pois ele prevê que vocês cometerão tão grande fornicação que apenas entre os de Sodoma se presenciou, e por essa razão perecereis, de modo que apenas umas poucas almas escaparão. Vossa luxúria com as mulheres também se multiplicará, e o Reino de Deus vos será tirado.
       Apesar disso, o Senhor ainda edificará um templo para si em vossos termos, e ele será glorioso entre vós. Deus o aceitará e as doze tribos de Israel ali se ajuntarão; até as nações recorrerão a vós, pois o Altíssimo ali fará repousar a salvação que será trazida pelo seu Ungido.
       Ele se colocará diante do templo, e ali será ultrajado antes que seja levantado sobre o madeiro. Nesse tempo o véu do templo se rasgará, e o Espírito de Deus há de ser dado às nações. Mas Ele se levantará de sua sepultura e ascenderá ao céu. E eu bem sei o quanto há de ser humilhado nesta terra; mas de glória eterna será coroado no Céu!

 10
       Estando José no Egito, eu desejei muito mirar-lhe o rosto e contemplar suas feições. Por causa das orações de meu pai Jacó eu o vi. Era a sua perfeita e completa imagem. Meus filhos, vocês devem saber que já se aproxima a minha morte, porquanto façam justiça e verdade uns aos outros, e não se esqueçam de cumprir a Lei e os mandamentos do Senhor. Essas coisas são melhores do que qualquer herança que eu vos possa deixar. Ensinem isso aos vossos filhos por estatuto eterno, pois assim fizeram Abraão, Isaque e Jacó.
       Eles vos deixaram todas essas coisas como herança, dizendo: Guardai os mandamentos do Senhor até que a sua salvação seja revelada a todas as nações. Por isso, olhem para Enoque, Sem, Abraão, Isaque e Jacó, como descansam à destra de Deus, pois assim também vos acontecerá, e cada um de vós subirá segundo a sua tribo para adorar ao Rei do Céu que aparecerá sobre a terra. Eis que Ele vem na forma de um homem simples.
       Todos aqueles que aceitarem a sua mensagem hão de se alegrar no seu Reino. Nesse tempo os homens ressuscitarão, uns para a glória, e outros para a vergonha e o desprezo eterno. O Senhor primeiramente julgará a Israel por todos os pecados que contra Ele cometeu; porque vindo o Senhor ao mundo em forma de homem, eles não o receberam. Do mesmo modo serão julgadas todas as nações, porquanto não o aceitaram quando lhes apareceu em sua forma humana.
       Ele declarará a culpa de Israel entre todos aqueles que forem escolhidos dentre as nações, tal como reprovou a Esaú entre os midianitas, pois enganou aos seus irmãos e os conduziu à fornicação e à idolatria. Foi assim que eles se alienaram do Senhor e se tornaram filhos daqueles que não têm herança com os que temem a Deus.

11
       Não quero ser comparado a um lobo devorador, mas a um obreiro do Senhor, que dá alimento àqueles que praticam o bem. Nos últimos dias o Senhor levantará da minha descendência a alguém que temerá o Seu Nome; a terra ouvirá a sua voz e todas as nações serão iluminadas pelo novo conhecimento, pois rebentará em Israel para a salvação pela luz desse conhecimento que encherá a sinagoga dos gentios. Porque até que se cumpra o tempo dos gentios Ele estará na sua sinagoga, e os seus mensa-geiros o anunciarão entre os homens. Tanto as suas palavras quanto as suas obras hão de ser gravadas nos Livros Sagrados; Ele é o eterno Ungido de Deus. Foi por causa Dele que o meu pai Jacó me deu a seguinte instrução: Ele será cheio de tudo aquilo que falta à tua tribo.

12
       E Benjamin assim concluiu as suas palavras: Meus filhos, essa ordem vos deixo: que transporteis meus ossos do Egito a Hebron e que me sepulteis junto de meus pais. Assim morreu Benjamin, aos cento e vinte e cinco anos de idade, e em boa velhice. Então seus filhos o colocaram em um caixão. E no ano noventa e um desde a chegada dos filhos de Israel ao Egito, seus filhos aproveitaram que a nação entrara em guerra com os cananeus, e secretamente saíram para enterrá-lo em Hebron, aos pés de seus pais. Depois retornaram para o Egito e ali ficaram até ao dia que veio Moisés e os libertou.

O testamento de José, filho de Jacó



O testamento de José, filho de Jacó

1

       Cópia do testamento de José. Estando José já perto de morrer, ordenou que viessem seus filhos e irmãos. Então lhes falou:
       Meus irmãos e meus filhos, ouçam atentamente a José, o amado de Israel. Dêem ouvidos, meus filhos, a vosso pai. Porque durante toda a minha vida tenho convivido com a inveja e com a morte, e nem por isso hei me deixado abater, antes persevero na fé do Todo Poderoso. 
       Esses meus irmãos me odiaram, mas o Senhor me amou; eles desejaram me matar, mas o Senhor guardou a minha vida; eles me lançaram em uma cova, mas o Senhor me fez subir dali; fui vendido como escravo, mas o Senhor me deu a liberdade; outra vez fui feito cativo, e o Senhor me resgatou com braço forte; fui cercado pelo ódio, mas o próprio Deus veio me confortar; adoeci, mas Deus foi me visitar; estive na prisão, mas Deus me mostrou o seu favor; puseram-me em laços, mas o Senhor me libertou; fui caluniado, mas Deus pleiteou a minha causa; os egípcios disseram coisas estúpidas a meu respeito, mas o Senhor em tudo foi comigo; meus próprios servos me invejaram, mas Deus me exaltou.

2
       Foi dessa forma que Potifar, eunuco de Faraó, confiou-me a sua casa, onde precisei resistir à impudicícia de uma mulher que insistia em que eu fornicasse com ela, mas o Deus de meus pais impediu-me de cometer tão grande pecado.
       Por essa razão fui levado para a prisão, onde fui espancado e escarnecido; mas Deus fez com que eu achasse graça perante os olhos do carcereiro. Porque o Senhor jamais se esquece daqueles que o temem, e ainda que estejam nas trevas, ou em laços, ou em tribulações, ou em necessidades. Deus não é como o homem que se expõe à vergonha, nem como o filho do homem que se atém à confusão. 
       Ele não é como aquele que nasce do pó da terra, e por isso não participa de suas fraquezas; Seu braço é forte e alcança todos os lugares do mundo, e o seu socorro é multiforme, pois ainda que se afaste de alguém, não o faz para sempre, pois o que pretende é experimentar a sinceridade da sua alma.
       Em dez provações fui tentado, e a todas eu resisti; porque a resistência é um poderoso aliado, e a paciência produz muitas coisas boas.

3
       Quantas vezes a mulher de Potifar me ameaçou de morte! Ela muitas vezes me entregou ao verdugo para que me açoitasse, mas logo mudava de opinião e me fazia retornar. E muitas vezes contra a minha vontade eu tive de estar ao seu lado para ouvir me dizer: Tu serás meu senhor, e toda esta casa há de ser tua, pois se tu me aceitares, hás de ser feito dono de tudo.
      Mas eu me recordava dos conselhos que Jacó me dava, pelo que seguia para os meus aposentos e chorava em oração perante o Senhor. Jejuei muito durante aqueles sete anos, mas diante de meu senhor (Potifar) a minha aparência sempre foi ótima, pois aqueles que jejuam por amor a Deus recebem uma boa aparência. E se alguém me oferecia vinho, eu não o bebia; entregava-me ao jejum, e pegava a minha comida e a entregava ao pobre e ao desfalecido.
       Ao Senhor buscava pelas madrugadas, e pela mulher de Potifar suplicava, pois com muita freqüência me tentava, e durante a noite me procurava sob pretexto de visitar-me, mas principalmente pelo fato de não ter um filho homem, e assim, fingindo considerar-me como filho, vinha para me tentar. Mas de tanto eu orar ao Senhor, ela teve um filho homem.
       Desde então ela pareceu ter se contentado, e até pensei que de fato houvesse me aceitado como a um filho, e não desconfiei de imediato. Até que novamente ela passou a me atrair para a fornicação. Ao perceber seu maligno intento, eu senti tristeza mortal. Quando ela ia embora, eu voltava para mim mesmo, e por ela lamentava por muitos dias, pois reconhecia sua ilusão e engano. Então lhe declarei a palavra do Altíssimo, a ver se enfim desistiria de sua loucura.
4
       Outras vezes, porém, ela me elogiava como a um santo homem, e com dissimulação exaltava a minha castidade perante o seu marido; mas se estávamos a sós, ela logo tentava me agarrar. Porque se abertamente ela elogiava a minha castidade, quando estávamos a sós, me dizia: Não tenhas medo de meu marido, pois ele acredita piamente em você, e se acontecer de alguém eventualmente nos denunciar, ele não acreditará em uma só palavra.
       Por causa dessas coisas, eu me lançava ao chão e pedia a Deus para que Ele me livrasse daquele engano. E uma vez que ela não prevalecesse em nenhuma de suas investidas, veio até mim alegando que queria ser instruída na Lei de Deus. Porque dizia: Se é da tua vontade que eu abandone os meus ídolos, aceites o meu plano, e eu persuadirei o meu marido a abandonar os deuses do Egito, e assim caminharemos na Lei do teu Deus.
       Mas eu lhe respondi: O Senhor não admite que aqueles que o adoram vivam na impureza, pois não tem contentamento no homem que pratica o adultério; mas naquele que dEle se aproxima com um coração limpo e com lábios puros. Ela parecia se contentar com isso, mas eu entendia que estava a maquinar meios de me levar ao pecado. Portanto, me entregava ainda mais ao jejum e à oração, para que Deus me livrasse de suas investidas.
5
       Noutra ocasião ela me disse: Se não te deitares comigo, matarei o meu marido por envenenamento; assim tomarei a ti como esposo. Ao ouvir tais coisas, eu rasguei os meus vestidos e lhe falei: Mulher, dá glória a Deus e abandona esse intento, a fim de que tu mesma não sejas destruída;pois saibas ao certo que hei de declarar o teu macabro plano a todos os homens.
       E ela, tremendo muito, suplicou para que eu não revelasse o seu segredo. Então se afastou, tendo me coberto de muitos presentes, e depois me enviou vários dotes aprazíveis aos homens.
6
       Em seguida, ela me enviou um alimento preparado com poções mágicas. E aconteceu que quando o eunuco me trouxe aquele manjar, eu tive a visão de um homem terrível que me trazia um prato com uma espada, e entendi que o seu intento era envenenar-me à alma.  Depois que ele se foi eu me pus a chorar, e não provei nenhum alimento da sua mão.
       Um dia depois, ela foi me ver e notou que o alimento ainda jazia ali, pelo que me disse: Que é isso, que não comeste o alimento que te hei mandado?!
       E eu lhe respondi:
       Não o comi porque tu o recheaste com a morte. E como tu mesma o dizes: eu não sirvo aos deuses mudos, mas ao Senhor que fez o céu e a terra. Portanto, saibas agora que o Deus de meus pais me enviou o seu anjo e me revelou a tua maldade, e eu aqui o deixei para te certificar, porque se o contemplares talvez te arrependas. Sabe, porém, que a maldade dos ímpios não tem poder algum sobre aqueles que servem ao Senhor em verdade.
       Então tomei aquela comida e a comi perante seus olhos, e lhe disse: O Deus de meu pai e o Anjo de Abrão estão comigo. Ao ver o que fiz, o seu semblante desabou, e ela se lançou aos meus pés e chorou. Mas eu a ajudei a se levantar e a repreendi, então jurou que nunca mais voltaria a cometer tal iniqüidade.
7
       Mas o seu coração permanecia cheio de lascívia para comigo, e o seu semblante bem a denunciava. O seu esposo percebeu a sua tristeza e quis saber a razão de estar caído o seu semblante. Ela assim lhe respondeu: Tenho grande dor no coração, por isso está aflito o meu espírito. Então ele entendeu que ela não estava doente.
       E na primeira oportunidade que teve, ela se aproximou de mim, aproveitando que o seu marido estava ausente, e me falou: Eis que me enforcarei, ou então me atirarei de um precipício, se não te deitares comigo. E eu entendi que o espírito de Belial a estava possuindo, pelo que clamei ao Senhor, e depois disse para ela: Por que estás perturbada, e te deixas cegar pelo pecado? Lembra-te de que se te matares, Sethon, a concubina de teu marido, e tua rival, abaterá os teus filhos, e assim apagará atua memória de sobre a terra.
       Mas ela me respondeu: Quê! Logo te preocupas comigo? Então já me contentarei se te esforças pela minha vida e por meus filhos. Assim vejo que se realiza o meu desejo.
       Ela não compreendeu que eu havia pronunciado tais palavras por amor ao meu Deus, e não por sua causa. Porque se o homem se curva diante de um desejo pecaminoso, logo se tornará seu escravo; tal como ela já se havia tornado.
8
       Agora vos declaro, meus filhos: isso aconteceu lá pela sexta hora depois que ela se foi de mim; eu estava ajoelhado perante o Senhor, e assim permaneci durante o resto da noite. Pela manhã eu ainda chorava e orava a Deus para que Ele me livrasse da mulher egípcia. Mas ela, segurou firme a minha roupa e insistentemente me puxou para envolver-me em seus braços. Ao notar que na sua loucura ela tinha me arrancado as roupas, eu fugi, e eis que estava nu.
       Então ela falsamente me acusou diante do seu marido, e fui lançado na prisão de sua casa. Ao amanhecer, ele ordenou que eu fosse levado para a prisão de Faraó. E quando eu fui enviado para aquele cárcere, a mulher de Potifar ficou sendo oprimida por uma grande aflição, de modo que depressa saiu a me ver, mas viu e ouviu o quanto eu estava grato ao meu Deus, e como o louvava no catre de tijolos. Porque com alegre voz eu me regozijava e glorificava ao Senhor por Ele ter me libertado dos desejos impuros daquela mulher egípcia.
9
       O mal nunca se dá por vencido, e com freqüência a mulher de Potifar me enviava mensageiros para dizer: Realiza o meu desejo e te libertarei da tua prisão, e te farei livre da escuridão. Mas nem em pensamentos eu me deitaria com ela. Porque Deus ama aqueles que se escondem da maldade, e que unem o jejum à castidade, em vez de se encontra na câmara de um rei a combinar luxúria com libertinagem.
       Se um homem vive em castidade e também deseja a glória, e o Altíssimo sabe que isso é conveniente para ele, Ele certamente o concederá, pois assim fez o Senhor a mim. Porque quantas vezes, embora estivesse doente, ela descia a mim e destrancava os ferrolhos da prisão, e me encontrava em oração perante o meu Deus!
       E ao saber da sua agonia, eu sentia paz. Porque estando eu na sua casa, ela me aparecia nua para que eu caísse diante dos seus encantos. E é bem verdade que ela era uma mulher bastante atraente, e se adornava esplendidamente para me fascinar. Mas o meu Deus me livrou de todas as suas investidas.
10
       Portanto, meus filhos, notai quantas coisas nobres a paciência opera; por isso, quando orardes, fazei-o sempre com jejuns. E se seguirdes a sobriedade, a pureza e a humildade de espírito, o Senhor virá e habitará convosco, pois ama a sobriedade. E onde houver sobriedade, ali estará o Senhor. E ainda que o homem se torne vítima da inveja ou da escravidão, ou da calúnia, o Senhor estará do seu lado, pois o seu amor pela sobriedade não apenas livra do mal, como também exalta e dignifica o homem, tal como aconteceu a mim. Porque em todos os seus caminhos será guiado esse homem, quer em feitos, quer em palavras, quer em pensamentos.
       Meus irmãos sabem o quanto Jacó me amava, e nem por isso eu tive o coração exaltado, e embora sendo um menino, eu temia a Deus em meus sentimentos. Porque eu bem sabia que todas as coisas haveriam de passar, pelo que respeitei os meus limites e honrei aos meus irmãos. E pelo respeito que lhes tinha, eu mantive o silêncio e não contei aos ismaelitas que era filho de Jacó, um grande e poderoso homem.
11
       Por isso vós deveis temer ao Senhor em todas as vossas obras, e honrar aos vossos irmãos. Porque Deus ama aqueles que cumprem a sua Lei. Mas aconteceu que os ismaelitas me perguntaram: És tu de fato um escravo? E eu não queria expor os meus irmãos à vergonha, por isso respondi que era um escravo bem-nascido. E o mais velho dentre os ismaelitas me falou: Tu nunca foste escravo, e a tua aparência bem o certifica.
       Mas eu lhes garanti que havia sido escravo daqueles que me tinham vendido. E quando chegaram ao Egito eles passaram a disputar para ver a quem eu deveria pertencer, pois todos queriam pagar por mim. No fim pareceu bem a todos eles que eu permanecesse no Egito com um mercador até eles retornassem com outras mercadorias. E o Senhor me deu graça perante os olhos do mercador, de modo que ele me pôs sobre todos os seus bens. E por amor de mim o Senhor o abençoou, fazendo-lhe aumentar o ouro, a prata e os servos de sua casa. Assim permaneci com ele por três meses e cinco dias.
12
       Foi durante esse tempo que uma mulher de Mênfis, esposa de Potifar, passou por ali com grande pompa e pousou os olhos sobre mim, pois os seus eunucos já tinham lhe falado a meu respeito. Então ela comentou com seu esposo acerca de um mercador que havia enriquecido através de um jovem hebreu que havia sido seqüestrado da terra de Canaã. Ela ainda sugeriu que o seu esposo executasse julgamento sobre o mercador, e que tomasse o jovem escravo para si, pois Deus o abençoaria grandemente, já que o favor do céu estava sobre o moço.
13
       Potifar foi assim persuadido por suas palavras, e ordenou ao mercador que viesse à sua presença. E quando o homem lá chegou, ele lhe falou: Que é isso que ouço acerca de ti? Roubaste uma alma da terra de Canaã e a tens como escravo? Mas o mercador caiu de joelhos em sua presença e suplicou, dizendo: Eu rogo ao meu senhor, e afirmo que não sei do que estás falando! Mas Potifar retorquiu: De onde então trouxeste este escravo? Ao que o mercador respondeu: Uns mercadores ismaelitas o confiaram a mim até que voltem de suas viagens.
       Potifar não acreditou em suas palavras, pelo que ordenou que tirassem a sua roupa e o açoitassem. Mas como insistisse em sua versão, Potifar falou: Trazei-me o jovem escravo que quero falar-lhe. E ao ser chamado à sua presença eu não o obedeci, embora ele fosse o terceiro homem depois do Faraó. Até que me chamou à parte e disse: Tu és escravo ou homem livre? E eu lhe respondi: Sou escravo. Mas ele insistiu: De quem és escravo? E eu outra vez lhe respondi: Duns mercadores ismaelitas. O eunuco era persistente, e tornou a me perguntar: Como te tornaste escravo? E eu prontamente assegurei: Eles me compraram na terra de Canaã. Então Potifar ficou furioso e vociferou: Agora sei que estás mentindo!
14
       Desde então ele ordenou que me arrancassem as roupas para que fosse espancado. Mas a sua mulher estava de parte e a tudo assistia da sua janela, pois a sua casa era próxima dali; ela viu quando eu comecei a ser açoitado e enviou um mensageiro ao seu marido com o seguinte recado: Teu julgamento é injusto, pois castigas a um homem livre que foi seqüestrado, e o punes como se fosse um transgressor. E como eu não lhe desse mais explicações (embora sob chibatadas),ele ordenou que fôssemos levados para a prisão até que os ismaelitas retornassem.
       Nisso a mulher lhe falou: Como podes manter aprisionado a essa tão nobre criança, que outra coisa não deve esperar senão que a ponhas em liberdade? Mas a verdade era que ela já me olhava com malícia e eu não desconfiava. E ele respondeu a sua mulher: Não é do costume dos egípcios o arrebatar aquilo que aos outros pertence antes que as provas incriminadoras sejam apresentadas.
       Ele dizia essas coisas em relação aos bens pessoais do mercador, pois quanto a mim estava bem certo de que podia manter na cadeia.
15
       Passados vinte e quatro dias, vieram os ismaelitas; porque eles tinham escutado que Jacó estava sofrendo muito por minha causa. Então vieram até mim e disseram: Como disseste ser escravo, se temos sido informados de que és filho de um poderoso homem da terra de Canaã? Além do mais, sabemos que por tua causa tem se mantido de luto com saco e cinzas.
       Ao ouvir isso o meu coração se derreteu, e tive vontade de chorar. Mas me contive, pois já havia proposto no meu coração que jamais iria expor a minha família à vergonha. Então lhes respondi: Não sei do que falais. Sou um escravo. Então se confabularam para ver o que fariam comigo, pois não desejavam que o meu pai me encontrasse em suas mãos, porquanto temessem a vingança que contra eles poderia fazer. E além do mais, eles tinham escutado que Jacó era poderoso diante de Deus e dos homens.
       Então o mercador lhes falou: Libertem-me do castigo de Potifar. Depois eles vieram a mim e disseram: Confessa que custaste o nosso dinheiro, então permitiremos que sigas em liberdade.
16
       Então a mulher de Potifar comentou-lhe: Compra-me esse jovem hebreu, pois tenho escutado que foi posto à venda. E imediatamente ela enviou um de seus eunucos aos ismaelitas a pedir-lhes que me vendessem. Mas o eunuco não concordou em pagar o valor que eles exigiam, e retornou para sua senhora depois de havê-los ameaçado. Então disse à mulher egípcia que eles haviam exigido muito dinheiro por seu escravo. E ela não se deu por vencida e enviou outro eunuco, dizendo-lhe: Se eles exigirem até duas minas, paga-as; não te preocupes em economizar meu ouro, apenas traze-me aquele escravo.
       Assim se foi o eunuco, e pagou-lhes as oito peças de ouro que tinham exigido pela minha venda. Mas ao chegarmos à casa da mulher, ele falou da seguinte maneira: Toma-o; eis que paguei cem peças de ouro por teu escravo. E embora eu soubesse da sua mentira, não ousei declarar que houvera roubado à sua senhora.
17
       Vejam então, meus filhos, quão duras coisas eu tive de suportar para não macular a honra de meus irmãos. Quero que façais a mesma coisa, e que vos ameis mutuamente, e com longanimidade suporteis as faltas uns dos outros. Porquanto Deus se alegra com a união dos irmãos e no propósito de um coração que tem prazer no amor.
       Quando meus irmãos desceram ao Egito eles souberam que eu tinha lhes devolvido o dinheiro e não os ultrajei, mas os confortei. E depois que nosso pai Jacó faleceu, eu os amei ainda mais. Pelo que se vos ordeno todas essas coisas é porque eu mesmo as fiz voluntariamente, e eles se maravilharam de que não lhes houvesse guardado rancores. E não era conveniente que eu, depois de haver padecido tão grandes dores, viesse agora me afligir com danos tão pequenos.
       Diferente do que eles temiam, eu lhes reparti todo o bem que por meio de tantos sofrimentos havia conquistado. Recebi os seus filhos como se fossem meus filhos, e até dispus meus filhos para que lhes fossem como servos; suas vidas foram a minha vida, e seus sofrimentos meus sofri- mentos; fiz de todas as suas fraquezas minhas enfermidades; minha terra foi sua terra, e o meu conselho seu conselho. E não me aproveitei de minha condição para me exaltar sobre eles, pois desprezei a glória humana para me tornar o menor dentre todos os filhos de Jacó.
18
       Portanto, se também observardes os mandamentos do Senhor, Ele vos exaltará e abençoará eternamente. E se alguém cometer algum mal contra vós, respondei-lhe com o bem, e oreis por ele, e assim o Senhor vos redimirá de todo mal. Notem que por causa de minha humildade e longanimidade eu tomei a filha do sacerdote de Heliópolis como esposa, e com ela me foram dados cem talentos de ouro.
        Mas acima de tudo isso, o Senhor fez com que eu dominasse sobre todos os homens do Egito. E ainda mais: o Senhor me deu beleza e juventude, de modo que tenho conservadas forças e formosura mesmo em boa velhice.
19
       Agora vos declararei acerca das visões proféticas que o Senhor me deu. Vi doze cervos pastando, e nove deles foram dispersos, sendo que os outros três permaneceram em paz por mais algum tempo, até que foram igualmente dispersos para os quatro cantos da terra. Assim notei que esses três cervos haviam se tornado em ovelhas, e clamavam ao Senhor, e Ele as conduziu a um lindo e mui regado lugar; isso mesmo: Deus as conduziu das trevas para a sua luz.
       Assim continuaram clamando as ovelhas, até que o Senhor de novo as reuniu com os nove cervos, os quais também tinham se transformado em ovelhas. Depois de algum tempo elas se reproduziram e se tornaram rebanhos numerosos. Eu continuava a olhar, e em seguida notei que doze touros mamavam em uma vaca que produzia um oceano de leite. Nisso vi que doze rebanhos e incontáveis corsas vinham para se alimentar da vaca. Então os chifres dos touros cresceram e se transformaram em muros para os rebanhos, e no meio dos chifres foi nascendo uma terceira ponta...
       E eu vi que de Judá saía uma virgem que se cobria com um vestido de linho, e que dela surgia um Cordeiro imaculado cuja mão esquerda era semelhante à mão de um leão, e todas as bestas selvagens investiam contra ele; mas o Cordeiro vencia a todas, e as esmagava sob seus pés. Por causa da vitória daquele Cordeiro houve festa e alegria entre anjos e homens; e toda a terra se alegrou. Mas essas coisas só devem acontecer no tempo apropriado, quando vier a época da consumação.
20
       Eu também sei que depois da minha morte os egípcios vos afligirão, mas Deus assumirá a vossa causa e vos levará para a terra que tem prometido aos nossos pais. Portanto, quando isso acontecer, vós levareis os meus ossos convosco. Porque quando os meus ossos forem levantados da terra, o Senhor vos dará a sua luz, mas Belial e todos os deuses do Egito se confundirão nas trevas. Assim também deveis transportar os ossos de Zilpa e de Bila, e os sepultareis ao lado de Raquel.
       Depois que José lhes falou estas coisas, ele estirou os pés e adormeceu. E todo Israel o pranteou; o Egito inteiro também levantou grande luto por ele. E quando os filhos de Israel foram embora do Egito, tomaram consigo os ossos de José e o transportaram a Hebron, junto aos túmulos de seus pais. E o tempo da vida de José foi de cento e dez anos.