quinta-feira, 3 de abril de 2014

Apocalipse de Paulo - Parte III



15- Então ele me disse: Olhe novamente para a terra lá em baixo e espere para ver outra alma de um homem ímpio que está deixando o corpo. Trata-se de um homem mau que viveu a provocar a ira do Senhor noite e dia, porque dizia: Eu não conheço outro mundo além deste; é por isso que eu como e bebo e aproveito tudo o que existe aqui. Por que quem foi que desceu ao inferno e depois voltou para provar que ali as almas são atormentadas?   

E eu olhei e vi todo o escárnio deste pecador diante de tudo o que ele tinha praticado e como agora se comportava na hora de sua morte. Eu notei que aquela hora estava sendo mais amarga do que o seu futuro julgamento, porquanto ele assim se lastimava: Ó, qual tem sido a minha vida no mundo!  

Desde então vi se aproximarem os anjos, bons e maus, e aquela alma pecadora também os via se aproximar, mas os santos anjos não haviam encontrado lugar no seu coração, pelo que os anjos maus possuíam totais poderes sobre ela. E aconteceu que enquanto os anjos maus arrancavam aquela alma do corpo, eis que os anjos de Deus lhes falaram por três vezes, dizendo: Miserável alma, olha agora para o corpo ao qual hás de abandonar, porque no dia da ressurreição tu terás de retornar a esta carne para receberes a paga pelos teus feitos de impiedade!

16 – E quando eles a deixaram, eis que o seu anjo particular lhe falou: Miserável alma, eu sou o anjo que te acompanhava e que reportava perante o Senhor todas as obras impuras que praticavas dia e noite. E eis que te digo que se dependesse de mim eu não teria te assistido um único dia da tua vida. Porém, não está no meu poder decidir sobre estas coisas. Deus é o misericordioso e justo Juiz e ordenou a que eu não te abandonassem nem por um momento, a fim de que algum dia tu viesses ao arrependimento. Mas eis que hoje tenho me libertado de ti e já te sou um estranho, e tu também te tornaste um estranho para mim. Que venha então o justo Juiz.

Então o espírito se afligiu e o anjo se perturbou, porque enquanto ele (a alma?)  se preparava para entrar no Céu, eis que foram- lhe lançados fardos sobre fardos. Porque o Erro, a Negligência e o espírito da Fornicação e os demais espíritos o encontraram e disseram: Aonde pensas que estás indo, alma pecadora? Por acaso pensas que entrarás no Céu? Pare aí mesmo e deixe-nos ver se tu não nos pertece, pois já notamos que não existe nenhum santo ajudador contigo.

E havendo eles o examinado, eis que se alegraram grandemente, e disseram: Mas é claro! Tu nos pertences totalmente. Agora sabemos que nem o teu anjo será capaz de te arrancar das nossas mãos.
Porém, o anjo respondeu: Saibas que esta alma foi feita a imagem de Deus, e eu não hei de deixar a imagem de Deus nas mãos do diabo. Porque aquele que me susteve durante todos os dias de vida desta alma pode sustê-la ainda e eu não a abandonarei até que ela suba até o trono de Deus lá no alto. Quando Ele a vir, há de decidir segundo a sua vontade.

Logo em seguida eu escutei vozes desde os céus, que diziam: Pobre e miserável alma, apresenta-te ao Senhor, para que conheças o Deus ao qual tu desprezaste.
 
E havendo ela adentrado ao Céu, eis que milhares de anjos se lamentaram ao vê-la, e em uma voz exclamaram: Ai de ti, miserável alma, por causa das obras que praticaste sobre a terra! Que hás de responder a Deus, quando enfim estiveres na sua presença?  E o anjo que a acompanhava disse: Lamentai comigo, servos do Senhor, pois não encontrei boa morada junto desta alma!

  Ao que os outros anjos responderam: Aparta esta alma do nosso meio, porque a sua presença tem contaminado este ambiente.

Então aquela alma foi conduzida à presença de Deus e o anjo mostrou-lhe o Senhor que a havia criado segundo a sua imagem e semelhança. Em seguida, o anjo que a conduzia correu adiante e falou: Deus Todo-Poderoso, eu sou o anjo que assistia esta alma e que reportava os seus feitos dia e noite. Eis que ela não se comportou segundo os teus mandamentos. Portanto, agora, lida com ela conforme os teus justos julgamentos. 

E da mesma maneira dizia o espírito: Eu sou o espírito que habitava o seu corpo, mas ela nunca obedeceu a minha vontade. Por isso, julga-a, Senhor, segundo a tua justiça.

Então ouviu-se a voz de Deus, que dizia: Que tens tu feito com todas as boas dádivas que te foram dadas desde a tua criação? Acaso tenho Eu te negado os  favores dispensados aos justos? E não tenho Eu feito o sol se levantar sobre ti assim como o sobre o justo?  

Mas aquela alma se calou, porque não tinha o que responder. Então Deus lhe falou novamente: Os julgamentos de Deus são perfeitos, pois Ele não faz acepção de pessoas, porque todo aquele que fizer misericórdia, misericórdia alcançará, e qualquer um que não fizer misericórdia também não será poupado perante o Senhor. Portanto, entregai esta alma ao anjo do Abismo (Tártaro), o qual se encarregará da sua punição.

Então vi aquela alma ser lançada nas trevas exteriores, onde há pranto e ranger de dentes, onde deverá permanecer até o dia do juízo final. Depois disso, escutei a  voz de anjos e arcanjos que diziam: Justo és tu, ó Senhor, e justos são os teus juízos.

17- Eu olhei novamente, e eis que dois anjos traziam uma alma que clamava: Tem misericórdia de mim, ó Deus, justo juiz!Porque há sete dias que tenho deixado o meu corpo e estou sendo arrastado por estes dois anjos e eles estão me levando por lugares aos quais desconheço! 

Então Deus, o justo juiz, lhe disse: Que tens tu feito? Tu jamais mostraste misericórdia, e é por isto que estás sendo atormentado pela presença dos anjos que não se apiedam de ti. Tu jamais praticaste o que era direito, como esperas que tenham compaixão de ti? Portanto, confessa os pecados os quais tu praticaste enquanto estavas no mundo.

Ao que aquela alma respondeu e disse:

Mas Senhor, eu não tenho cometido pecados!

Mas a ira do Senhor se acendeu sobre ela por haver dito: “Eu não tenho pecados.”  Pelo que Deus assim lhe falou: Acaso pensas que ainda estás no mundo, onde cada um dos teus pecados eram encobertos aos olhos dos homens? Porém, aqui nada fica em oculto. Saibas que quando uma alma sobe à minha presença todos os seus atos são declarados, sejam eles bons ou maus.

 Ao ouvir isto, a alma caiu em silêncio, porque não tinha como responder. E eu escutei o Senhor Deus, o justo juiz a se pronunciar outra vez: Vem, anjo que conduzes esta alma; fica entre ela e Eu.

 Então o condutor daquela alma pecadora se aproximou, trazendo o rolo de um livro em suas mãos. E eis que ele disse: Senhor, eis que tenho em minhas mãos os registros de todos os pecados que esta alma praticou desde a sua mocidade até ao dia de hoje; ou mais que isto, desde o dia em que nascera até agora. E se tu ordenares, Senhor, eu narrarei todos os seus feitos desde quando tinha quinze anos de idade.

 E o Senhor Deus, o justo juiz, falou: Eis que te digo, anjo, que não me hás de narrar os seus pecados a partir dos quinze anos, mas exponhas tão somente  aqueles que  ela cometeu nos seus últimos cinco anos de vida. E em seguida o Senhor, o justo juiz, falou:  Eu juro por mim mesmo e pelos santos anjos do meu poder que se esta alma houve se arrependido ao menos uma vez durante estes últimos cinco anos, que a perdoarei assim como se perdoa o mal praticado por uma criança de um ano de idade. Mas ao contrário, que ela pereça para sempre.

E o anjo daquela alma pecadora respondeu e disse: Determina, Senhor, que o anjo faça vir as tuas almas.

E naquele mesmo instante umas almas foram trazidas para perto e aquela alma pecadora as reconheceu imediatamente. E o Senhor falou à alma pecadora:  Eis que te digo, alma: confessa todos os crimes que tu cometeste contra estas almas quando elas também estavam no mundo. 

Então ela respondeu e disse: Senhor, ainda não se passou nem um ano desde que assassinei esta alma, derramando o seu sangue sobre a terra. Quanto à outra, eis que com ela cometi fornicação. Porém, isto não é tudo; porque eu também pratiquei injúrias e me apropriei dos bens de outrem.

Ao ouvir isto, o Senhor, o justo juiz disse: Sabias tu que quando uma pessoa faz violência à outra, se esta pessoa que sofreu a violência morrer primeiro, é mantida neste lugar até ao dia em que o seu agressor morra, para que ambas compareçam juntas perante o juiz para que cada uma receba o que os seus feitos merecem?

 Então escutei uma voz que dizia: Tomai esta alma e entregai-a nas mãos do Tártaro para que seja precipitada nas regiões mais baixas da terra. Encerrai-a em prisões escuras para que seja atormentada até ao dia do juízo. 

E novamente eu ouvi milhares e milhares de anjos que clamavam: Justo és tu, Senhor, e justos são os teus juízos!

19 – E o anjo me disse: Tens tu entendido todas estas coisas?  Ao que eu respondi: Sim, senhor. Então ele me falou novamente:  Segue-me de novo  e eu te levarei para que conheças a cidade dos justos.  
Eu o acompanhei e ele me elevou acima do terceiro céu e me fez estar perante a entrada de um portão. E eu notei que se tratava de um grande portão de ouro e que havia dois pilares de ouro diante dele e que sobre estes pilares existiam duas placas douradas nas quais estavam gravadas várias inscrições. Em seguida, o anjo se voltou para mim e disse: Bem-aventurado serás se conseguires passar para além destes portões, pois apenas aqueles que possuem um coração puro é que podem antrar ali.

Então perguntei ao anjo: Senhor, por que razão estão escritas estas coisas em ambas as placas de ouro?
Ao que ele me respondeu: Estes são os nomes daquelas pessoas justas que serviram fielmente a Deus enquanto estavam no mundo. 

Mas eu lhe falei outra vez: Então os seus nomes já estavam escritos no Céu, embora ainda estivessem vivendo no mundo?  

E o anjo me respondeu: Não apenas os seus nomes, mas até as suas faces já haviam sido gravadas, porque todo aquele que serve a Deus de todo o coração  é bem conhecido diante dos seus anjos.

20 – Então adentramos. E havendo eu atravessado os portões do Paraíso, se aproximou de mim um ancião cuja face resplandecia como o sol. Ele me abraçou e disse: Sê bem-vindo, Paulo, querido e amado de Deus. 

E foi com um belo sorriso no rosto que ele me beijou e logo se pôs a chorar. Eu, porém, lhe disse: Por que choras, meu Pai? Mas ele suspirou e logo voltou a chorar. E disse: Eis que choro porque somos injuriados pelos homens que desconhecem todas estas coisas maravilhosas que Deus tem preparado para aqueles que o amam. E eis que são firmes as suas promessas, porém eles não a crêem.

Por causa disso eu voltei a falar ao anjo, e lhe perguntei: Quem é este, senhor?  Ao que ele me respondeu imediatamente: Este é Enoque, a fiel testemunha dos últimos dias. E no mesmo instante o anjo me falou: Eis que não deves reportar aos homens nada do que eu te mostrar enquanto estivermos neste lugar. 

Mas eu prossegui e logo adiante avistei Elias. Ele me saudou com grande alegria. Mas em seguida se afastou um pouco e me disse: Paulo, esforça-te para alcançares a tua recompensa pelas obras que realizas entre os homens.

Quanto a mim, eis que tenho visto as grandiosas dádivas que o Senhor tem praparado para os seus justos, e as suas promessas são grandiosas, ainda que a maioria dos seres humanos as tenham rejeitado. Porém, importa que através de muitas tribulações entremos no Reino dos Céus.
Continua...

OsTestamentos dos Doze Patriarcas - Zebulom




1
       Cópia das palavras de Zebulom, quando reuniu seus filhos antes de morrer, aos cento e quatorze anos de idade, dois anos depois da morte de José. Ele lhes falou: Escutem, ó filhos de Zebulom, atentem para as palavras de vosso pai. Eu sou Zebulom, e, ao nascer, fui como uma maravilhosa dádiva para os meus pais. Quando eu nasci o meu pai ficou grandemente enriquecido em todos os rebanhos do seu gado, pois lançou mão das varas listradas para garantir a sua porção.

       Estou consciente de que jamais cometi grandes pecados em todos os dias da minha vida, a não ser quando por ignorância participei da conspiração que os meus irmãos tramaram contra José, pois concordei com eles em não contar a verdade ao nosso pai Jacó. Mas por dentro eu chorei por vários dias devido ao que tínhamos feito a José, porque temia a meus irmãos, porquanto eles estivessem de acordo em que aquele que revelasse o segredo deveria ser morto imediatamente. Mas quando declararam que iam matar a José, eu os resisti, e com lágrimas implorei para que não acrescentassem a culpa de tão grande pecado.

2
       Simeão e Gade deram sobre José para matá-lo, e ele lhes falou em lágrimas: Meus irmãos, tenham piedade de mim, e sejam misericordiosos com as cãs de Jacó nosso pai. Não estendam as vossas mãos contra mim para derramarem o sangue inocente, pois em nada tenho pecado contra vós. Mas se de alguma maneira vos tenho injuriado, com vara me castiguem, mas por amor de nosso pai não se adiantem em me matar.
       E depois de lhes falar com estas palavras, ele se lastimou o quanto pôde. Eu estava pronto para atender aos seus lamentos e me pus a chorar até que meu intestino se desprendeu. Eu chorava por José e o meu coração com ele sofria de tal modo que as juntas do corpo tremiam e me impediam de ficar de pé.

       Quando José notou que eu chorava com ele, e que os meus irmãos já vinham para matá-lo, ele se escondeu atrás de mim Foi aí que Ruben interferiu, dizendo: Meus irmãos, não é bom que o matemos, senão que o lancemos naquela cisterna que está vazia.
       Ora, aquela cisterna havia sido cavada por nossos pais, e foi o Senhor que permitiu que ela não desse água, a fim de que a vida de José fosse conservada. Então o pusemos ali até que fosse vendido aos ismaelitas.

3
       Eu não tive participação nos lucros obtidos com a venda de José. Simeão, Gade e mais seis irmãos meus tomaram aquele dinheiro e compraram sandálias para eles e para suas esposas e filhos, porque diziam: Não compraremos comida com esse dinheiro, pois é o preço do sangue de nosso irmão; em vez disso, o manteremos sob os nossos pés, porquanto ele tenha dito que haverá de dominar sobre nós. Então veremos o que será dos seus sonhos.
      
       Mas já estava escrito nos livros da Lei de Moisés [Enoque?] que todo aquele que não elevar a semente do seu irmão terá as suas sandálias desatadas antes que lhe cuspa na face. Os irmãos de José não queriam que ele vivesse, mas foi o Senhor que soltou as sandálias de José. Porquanto, quando eles desceram ao Egito, os servos de José afrouxaram-lhes as sandálias diante dos portões da cidade, obedecendo-lhe como se fora o próprio Faraó. Assim foram cuspidos os seus irmãos, e se encurvaram na sua presença, sendo humilhados na terra do Egito. Foi depois disso que aquela gente ficou sabendo de todo o mal que eles tinham feito a José.

4
     Depois de haverem lançado José na cova eles trouxeram os alimentos. Mas por dois dias e duas noites eu não provei coisa alguma, antes me pus a suplicar por José. Judá também não quis comer com eles, mas retornou para olhar a cisterna, pois temia que Simeão e Gade lá voltassem para matar José. Ao perceber que eu não tinha me alimentado, eles me obrigaram a vigiar a cisterna até que José fosse vendido. E José permaneceu três dias e três noites naquela cisterna; estava faminto, e foi vendido já a beira da morte.

       Quando Ruben ficou sabendo que José fora vendido durante a sua ausência, ele rasgou as suas roupas e chorou, dizendo: Como poderei outra vez olhar nos olhos de meu pai Jacó? Depois tomou dinheiro e correu, a ver se alcançava os mercadores ismaelitas, mas não os encontrou, porquanto tivessem evitado a estrada principal e tomado as veredas mais rudes.

       Naquele dia Ruben não comeu coisa nenhuma. Dan foi me procurar para dizer o seguinte: Não tens que chorar e nem por que estar triste, porque eu sei o que haveremos de dizer ao nosso pai. Vamos matar um cordeiro e derramar o seu sangue nas roupas de José, então as mostraremos a Jacó e diremos: Vê se não são as roupas d0 teu filho.

       A verdade é que eles haviam arrancado as roupas que Jacó tinha dado a José [porquanto valessem um bom dinheiro] e o fizeram vestir os andrajos de um escravo antes de o venderem. Suas vestes, portanto, estavam em poder de Simeão, pois não havia abandonado o propósito de matá-lo ao fio da espada. Ele estava furioso por saber que José havia escapado com vida. Mas nós outros nos levantamos contra ele e dissemos: Se não desistires desse intento, iremos dizer que tu sozinho cometeste esse mal em Israel. 

       Então ele nos entregou as roupas de José e fizemos da forma que Dan havia planejado.

5
     Agora, meus filhos, eu vos digo que guardem os mandamentos do Senhor e sejam misericordiosos com o vosso semelhante. Sejam compassivos para com todos e não apenas com os homens, mas até com os animais. Porque foi por amor a estas coisas que o Senhor me abençoou, de sorte que quando todos os meus irmãos ficaram doentes, eu escapei, pois Deus conhece os propósitos de cada um.

       Portanto, tenham compaixão na alma, porque do modo com que vocês tratarem aos homens o Senhor também vos tratará. Os filhos dos meus irmãos adoeceram devido ao mal que eles causaram a José, pois não tiveram misericórdia na alma. Mas a minha descendência goza de perfeita saúde e vocês mesmos o sabem. E quando morávamos em Canaã, lá pelas costas do mar, eu apanhava muitos peixes para o meu pai, ao mesmo tempo em que muitos pescadores eram engolidos pelas ondas. Quanto a minha habitação, era igualmente segura.

6
       Eu fui o primeiro a construir um barco a vela para navegar sobre o mar, pois o Senhor me deu entendimento e sabedoria nisso. Eu adaptei um leme ao barco e estendi uma vela no mastro central e saí a navegar pela costa. Era assim que eu pescava abundância de peixes para a casa de meu pai, até que fomos morar no Egito, e por compaixão eu dividia o produto da minha pescaria com os estranhos. E se um homem fosse estrangeiro, idoso, ou estivesse doente, eu lhe cozinhava o peixe e o tratava com gentileza, pois era dessa maneira que eu cuidava de todas as pessoas, me compadecendo delas. Por isso também o Senhor me satisfazia com abundância de peixes sempre que eu saía para pescar; pois aquele que reparte com o seu próxim, recebe em dobro da mão do Senhor.

       Por cinco anos eu pesquei e sempre reparti com os homens que encontrei e ainda assim eu conseguia abastecer toda a casa de meu pai. Durante o verão eu pescava e no inverno guardava as ovelhas com os meus irmãos.

7
       Agora hei de declarar-vos as coisas que eu fiz. Encontrei um homem aflito e nu durante um inverno e dele me compadeci, e secretamente tomei [roubei?] um vestido da casa de meu pai para cobrir o aflito homem. Espero que vocês façam o mesmo, pois assim também vos tem tratado o Senhor. Mostrem compaixão e misericórdia para com todos os homens, fazendo o bem sem hesitação, e de bom coração dêem ao vosso próximo.

       Mas se não tiverem como ajudar a quem precisa, ao menos tenham compaixão com entranháveis misericórdias. Porque naquele momento eu também não tinha muito para lhe oferecer, mas o acompanhei, chorando ao seu lado por sete léguas, derramando as minhas entranhas em compaixão.

8
       Meus filhos, sejam misericordiosos com todos os homens, pois se agirdes assim o Senhor também se compadecerá de vós. Porque nos últimos dias o Senhor há de manifestar a sua misericórdia ao mundo e onde Ele encontrar entranhas de misericórdia, ali fará a sua habitação. E com a mesma medida com que um homem se compadece do seu próximo, assim também se compadecerá dele o Senhor.

       José não guardava rancores contra nós quando chegamos ao Egito, e ao me ver ele ficou cheio de compaixão. Sigam o seu exemplo, meus filhos, e façam o mesmo, aperfeiçoando-vos sem malícia e amando-vos mutuamente sem levar em conta os defeitos de outrem; porque isso rompe a unidade, divide a afinidade e atormenta a alma. Porquanto, aquele que tolera a maldade não tem entranháveis misericórdias.

9
       Observem o curso dos rios quando as suas águas correm juntas. Vejam como conseguem remover pedras, árvores, terra e tudo o mais. Mas se elas forem divididas em vários arroios a terra as tragará sem dificuldade e se escoarão. O mesmo vos acontecerá se não mantiverdes a vossa unidade.

       Portanto, sejam de um só pensamento e de uma só cabeça; porque tudo quanto o Senhor criou possui apenas uma cabeça, mas tem dois pés, dois ombros, duas mãos e todos os demais membros. Mas eu tenho tomado consciência através dos escritos de nossos pais e vocês causarão divisão em Israel e seguirão a dois reis e praticarão todos os tipos de abominações. Então vossos inimigos hão de vos levar cativos e sereis maltratados entre todas as nações da terra com muitas enfermidades e tribulações.

      Mas depois disso vocês se lembrarão do Senhor e se arrependerão [de modo que Ele vos trará de volta], pois é misericordioso e compassivo. Ele não leva em conta os pecados dos filhos dos homens, posto que sejam carne, e os espíritos do erro os enganem em todos os seus feitos. Passadas estas coisas, o Senhor fará nascer a luz da justiça sobre vós [e salvação vos trará debaixo de suas asas; Ele redimirá todos os cativos que estão sob o poder de Belial, e sob os seus pés serão esmagados todos os espíritos imundos]; então todas as nações fanáticas serão trazidas a Si, e vocês verão o Senhor na forma de um homem ao qual Ele escolherá; Jerusalém será o seu nome. Mas outra vez vocês provocarão o Seu Anjo com palavras injuriosas, pelo que sereis castigados até que se complete o tempo da vossa redenção.

10
       Não fiquem tristes por estar se aproximando a minha hora, nem estejam abatidos por já estar próximo o meu fim, pois ainda me levantarei no meio de vós, e como legislador entre os filhos da minha descendência. Eu sei que outra vez me alegrarei no meio da minha tribo. Mas o Senhor sobre os ímpios derramará o fogo eterno e os destruirá em todas as suas gerações.
       Quanto a mim, eis que me vou apressando ao meu repouso, tal como aconteceu com os meus pais. E de vós se exige que ameis ao Senhor nosso Deus com todas as vossas forças e por todos os dias de vossa vida.

       Quando acabou de pronunciar essas palavras, Zebulom adormeceu, já em avançada idade. E os seus filhos o colocaram em um caixão de madeira e depois o levaram para Hebron, onde o sepultaram com seus pais.