terça-feira, 25 de março de 2014

Os Testamentos dos Doze Patriarcas - Judá



O testamento de Judá, o quarto filho de Jacó 



1
    
   Cópia das palavras que Judá falou aos seus filhos antes de morrer. Eles se reuniram ao seu redor e ele lhes disse: Escutem, meus filhos, a Judá vosso pai. Eu sou o quarto filho de Jacó, e minha mãe Léia me deu esse nome porque dizia: Agradeço ao Senhor por Ele ter me dado mais esse filho.
      
  Eu era ágil em minha juventude e em tudo fui obediente ao meu pai. Honrei a minha mãe e a irmã da minha mãe, de modo que ao me tornar homem feito, meu pai me abençoou, dizendo: Tu serás rei e em tudo prevalecerás.

2
       O Senhor me favoreceu e abençoou o trabalho das minhas mãos, tanto no campo quanto em minha casa. Um dia persegui uma corsa e a alcancei; preparei a sua carne para o meu pai, mas ele não a quis comer. Eu era assim: costumava disputar com as gazelas e sempre as vencia, pois estava apto para consumar todos os planos que tinha na mente.
      
      Se perseguisse a uma égua selvagem, eu a capturava e a domesticava. Matei um leão e salvei um menino que estava em sua boca. Agarrei um urso pelas patas e o atirei despenhadeiro abaixo, de sorte que ele se espatifou. E se alguma fera do campo investia contra mim, eu a rasgava ao meio como a um filhote de cachorro.
       
       Um dia me deparei com um javali selvagem e o persegui até que o ultrapassei e o feri. Em Hebron um leopardo saltou sobre um cachorro, mas eu o apanhei pelo rabo e o arremessei para longe de mim e o matei [O seu corpo foi encontrado em pedaços na Costa de Gaza].

3
      
     Quando os dois reis cananeus vieram com as suas espadas desembainhadas contra os nossos rebanhos, vindo muita gente com eles, eu investi sozinho contra o rei de Hazor e o feri nas pernas e o derrubei antes de matá-lo. Quanto ao rei de Tapua, eu o matei sobre o seu cavalo, e todos aqueles que lutavam ao seu lado tiveram de fugir.
     
      O rei de Acor foi o homem de maior estatura que já conheci, e embora montado sobre o cavalo, era capaz de disparar dardos para todas as direções. Então eu apanhei uma pedra que pesava cerca de seis libras e a arremessei contra o seu cavalo e o abati. Depois disso, lutei com Acor durante duas horas, até que o matei. Rompi o seu escudo ao meio e cortei os seus pés. Também o despojei da sua couraça; e eis que oito dos seus companheiros de armas começaram a lutar contra mim. Mas eu saquei da minha roupa e a enrolei na mão, de modo que se transformasse em uma funda com a qual disparei pedras contra eles. Consegui abater a quatro, mas os outros fugiram.
      
         Então veio o meu pai Jacó e matou a Belisa, que era senhor de todos aqueles reis; e eis que ele era um gigante com vinte côvados de altura. Depois disso o temor caiu sobre todos e eles cessaram de fazer guerra contra nós. Portanto, enquanto eu estivesse no meio dos meus irmãos o meu pai não teria motivos para temer a guerra. E o meu pai Jacó teve uma visão a meu respeito, e viu que havia um anjo forte que me acompanhava por toda parte, e entendeu que eu jamais poderia ser vencido.

4
       Mas quando estávamos no Sul, nos aconteceu uma guerra maior do que aquela que nos sobreveio em Siquem. E eu me uni na batalha com os meus irmãos e botamos mil homens em retirada; destes conseguimos matar cerca de duzentos e mais quatro reis. Eu escalei o muro da cidade e matei  quatro homens poderosos. Depois capturamos Hazor e a espoliamos, levando cativos os seus habitantes.

5
       No dia seguinte partimos para Areta, uma cidade forte, murada e intransponível, capaz de inspirar-nos a morte. Todavia, eu e Gade nos aproximamos pelo lado Leste da cidade, ao mesmo tempo em que Ruben e Levi acudiam pelo Oeste e pelo Sul. Aqueles que estavam sobre os muros imaginaram que estávamos sozinhos e prontamente nos atacaram; então nossos irmãos secretamente escalaram os muros por ambos os lados e entraram na cidade. Passamos todos ao fio da espada. Quanto àqueles que se refugiaram nas torres, tiveram pior sorte, pois nós as incendiamos.
      
 Mas quando partíamos, vieram alguns homens de Tafu e deram sobre os nossos cativos. Mas acudiram-nos os nossos filhos, e lutamos contra eles até Tafu, onde os matamos. Depois pusemos fogo em sua cidade e nos apoderamos de tudo quanto possuíam.

6
       Ao chegarmos às águas de Cozeba, os homens de Jobel vieram guerrear contra nós. Nós os enfrentamos em batalha e os vencemos, e eis que eles fizeram aliança com os de Siló, mas ali também os derrotamos, de sorte que não lhes deixamos a menor esperança de reação. Aconteceu, porém, que ao quinto dia os homens de Maquir deram sobre nós para saquear os nossos despojos de guerra. Porém nós os resistimos e os destruímos depois de uma batalha renhida; porque entre eles havia uma hoste de homens valentes que nos deram muito trabalho. Mas a estes nós também matamos antes que eles atingissem o cume dos montes.
      
      E aconteceu que quando marchávamos para a sua cidade, as mulheres de lá fizeram rolar grandes pedras desde o cimo do monte sobre o qual a cidade estava edificada. Mas eu e Simeão nos escondemos por trás da cidade e dela nos apoderamos e assim a destruímos totalmente.

7
       No dia seguinte fomos avisados que o rei de Gaás marchava contra nós com um exército formado por homens valorosos. Entretanto, eu e Dan nos fizemos passar por amorreus e fizemos aliança com os daquela cidade. E na calada da noite nossos irmãos vieram e nos abriram os portões, e assim destruímos todos aqueles homens com a sua parafernália de guerra. Depois tomamos a cidade por presa e nos apoderamos de tudo o que ali havia e derrubamos as suas três fortalezas. Então arrastamos para perto de Tamna, onde já estavam todos os saques que pertenciam aos reis que nos haviam sido hostis.
      
 Porque eu fiquei bastante enfurecido quando fui insultado por eles, pelo que marchei contra as suas tropas, rumando para o cume do monte. Mas eles tomaram as suas fundas e dispararam pedras e flechas contra mim. E se Dan não tivesse corrido em meu auxílio eles decerto teriam me trucidado. Portanto, foi com ira que subimos contra eles e os pusemos em debandada fuga. Mas indo eles por outro caminho, foram a suplicar ao nosso pai Jacó para que lhes poupasse a vida, e desde então não os perseguimos mais. Eles se tornaram nossos tributários e lhes restituímos todo o que dantes lhes havia pertencido. Eu reergui a Tamna, e o meu pai reconstruiu a Pabael.
     
  Quando aconteceu essa guerra eu estava com vinte anos. Depois disso os cananeus passaram a temer a mim e aos meus irmãos.

8
       Eu possuía muito gado e o chefe dos meus pastores era Irão, o adulamita. Um dia fui visitar  Parsaba, rei de Adulão, e ele nos recebeu com um banquete. Estando eu já alto pela alegria do vinho, ele me deu a sua irmã Betsuah por esposa. Dela me nasceram Er, Onan, e Selá, mas o Senhor matou a dois deles. Porém Selá viveu, e vós sois os seus rebentos.

9
       Meu pai habitou em paz com Esaú por dezoito anos, e o mesmo aconteceu com os seus filhos e os filhos dele; isso desde que viemos da casa de Labão, na Mesopotâmia. Mas havendo se passado esse período, estando eu já com quarenta anos de idade, Esaú, irmão de meu pai, nos afrontou com um forte exército formado por uma multidão de gente.
      
     Jacó feriu a Esaú com uma flecha e ele tombou sobre o Monte de Seir, onde veio a morrer. Assim, nós perseguimos os seus filhos. Mas eles moram em uma cidade de ferro, cujos portões são de bronze, e lá não conseguimos entrar. Mesmo assim montamos acampamento ao seu redor e a sitiamos. Eles nos resistiram e por vinte dias mantiveram cerradas as suas portas.
       
    Então eu tomei uma escada de cordas e escalei o muro diante dos seus olhos e com o meu escudo sobre a cabeça eu fui subindo sob uma chuva de pedras que podiam pesar mais de três talentos. Foi assim que consegui matar quatro dos seus homens mais valorosos. Ruben e Gade vieram a seguir e mataram mais seis deles, e isso foi suficiente para que apelassem para um acordo de paz. Nós fomos consultar ao nosso pai e ficou acertado que eles teriam de pagar um resgate. Assim, eles nos entregaram quinhentos coros de trigo, quinhentos bates de óleo e quinhentas medidas de vinho. Até que veio a grande fome sobre a terra e tivemos de descer para o Egito.

10
       Depois dessas coisas o meu filho Er foi para a Mesopotâmia e tomou a Tamar, irmã de Aram como esposa. Mas Er era mal aos olhos do Senhor e suspeitava de Tamar devido ela não ser das filhas dos cananeus. Aconteceu que ao terceiro veio um anjo durante a noite e o feriu mortalmente e ele morreu sem ter se deitado com a sua esposa, pois era incitado por sua mãe, que não desejava que ele tivesse filhos com Tamar.
    
      Mas durante as comemorações daquelas núpcias, eu entreguei Onan para que fosse esposo de Tamar. Mas ele foi igualmente perverso e não quis se envolver sexualmente com a mulher, de modo que esteve ao seu lado por não mais do que um ano. No entanto, eu o ameacei até que aceitou conhecê-la intimamente, mas agia mal, pois derramava o sêmen no chão, já que por orientação da sua mãe assim procedia. E por causa dessa maldade ele também veio a morrer.
       Eu desejava dar Selá por esposo a Tamar, embora a sua mãe não estivesse de acordo, pois no seu coração ela odiava Tamar, uma vez que essa não fosse uma das filhas dos cananeus como ela mesma o era.

11
    Eu sabia que o povo de Canaã era perverso, mas os impulsos da mocidade me cegavam a mente. E vendo eu [Betsuah] servindo vinho [porque foi sob a influência do vinho que me confundi, e cai diante dela], me deixei levar, embora meu pai tivesse me aconselhado a jamais agir desta maneira. Mas aconteceu que durante a minha embriaguez, veio Betsuah e tomou uma das mulheres cananéias para que fosse esposa de Selá. Ao perceber o que ela tinha feito, eu a amaldiçoei com grande angústia de alma, de modo que ela mesma incorreu na perversão que havia levado seus filhos a morte.


12
       Depois dessas coisas, estando Tamar viúva e sem marido [E já se tinham passado dois anos], ela soube que eu subia a tosquiar minhas ovelhas, pelo que se enfeitou de jóias e se vestiu de noiva, e pôs-se a espreitar junto ao portão da cidade. Porquanto há uma lei entre os amorreus que determina que uma mulher, estando noiva, deve entregar-se a fornicação por sete dias diante do portão da cidade.
   
    E eis que eu estava bêbado próximo as águas de Cozeba, e vendo-a não a reconheci, pois estava encantado pela sua beleza, mais muito mais fascinado fiquei em razão dos adornos que usava. Então me coloquei ao seu lado e sussurrei: “Eu adoraria possuir-te”. E ela me respondeu: “O que me darias por isso?” Então lhe entreguei o meu cinto, o meu cajado e um diadema como penhor. Eu a possuí, e ela ficou grávida.
  
     Quando fiquei sabendo que Tamar estava grávida, eu a quis matar, mas ela me apresentou os meus pertences e a minha vergonha veio à tona. Eu a chamei e escutei aquelas palavras que lhe tinha pronunciado em secreto quando na minha embriaguez sussurrei aos seus ouvidos; então compreendi que não podia matá-la, pois isso vinha do Senhor.
    
   Mas eu imaginava que talvez ela astutamente houvesse se apropriado do penhor que com outra mulher eu houvera deixado. Entretanto, não ousei me aproximar dela até este dia, já que enfim compreendi que havia cometido horrendo pecado em Israel. Além do mais, os homens daquela cidade me garantiram que ali não havia ocorrido nenhum noivado, de modo que aquela mulher só podia ter vindo de outro lugar, e se pôs ali apenas por alguns instantes. Por outro lado, julguei que ninguém soubesse que eu tinha me envolvido com Tamar.
    
   Foi depois dessas coisas que nós descemos para o Egito, a ter com José, pois a fome assolava a nossa terra. Naquela época eu contava com quarenta e seis anos, e já se passaram setenta e três anos desde que aqui chegamos.

13
       Portanto, desde agora vos ordeno, meus filhos: ouçam a Judá vosso pai, e guardem os seus ditos, para que possais cumprir todas as ordenanças do Senhor, e obedecer aos mandamentos de Deus. Nunca andem pelo caminho da luxúria, nem na fantasia dos vossos pensamentos, nem na altivez do coração. Não se gloriem em vossos feitos, nem na força que há na juventude, pois isso também é mal perante os olhos do Senhor.
      
  Porque eu também me jactava, afirmando que jamais me deixaria seduzir pelos encantos de uma mulher e até critiquei  Ruben pelo que ele fez a Bila, mulher de Jacó. Mas aquele mesmo espírito que tinha se apoderado de Ruben também se alojou em mim, de sorte que caí diante de Betsuah, que é mulher Cananéia, e corrompi a Tamar, que havia desposado dois dos meus filhos. Logo eu que havia dito ao meu avô: “Tomarei conselho com meu pai antes de aceitar uma das filhas dos cananeus”. Ele [ou seria “eu”?] estava relutante, mas o irmão de Betsuah tinha me mostrado todo o ouro do dote que me seria dado com ela, pois ele era rei e a cobriu de ouro e pérolas e a motivou a que nos servisse o vinho durante o banquete.
      
  E eis que o vinho fez turvar os meus olhos e o deleite me cegou o entendimento. Então a amei, e tropecei, transgredindo os mandamentos do Senhor e as ordenanças do meu pai. Foi assim que a tomei por esposa. Mas o Senhor retribuiu segundo os intentos do meu coração, de tal forma que jamais pude me alegrar com os filhos de Betsuah.

14
       E eis que agora vos digo: não vos embriagueis como vinho, pois o vinho arrebata o entendimento, corrompe a verdade, inspira as paixões e a luxúria e conduz os olhos ao erro. E o espírito da fornicação usa o vinho para administrar a concupiscência da mente. E ambos podem levar cativa a razão do homem. Porque indo o homem do vinho à embriaguez, ele perturba a mente com pensamentos impuros que conduzem à fornicação e prepara o corpo para a união carnal.
      
   A mesma coisa ocorre ao homem ébrio; porque quem está embriagado não respeita os outros. E foi isso que aconteceu comigo, pois não tive vergonha alguma perante aquela multidão que me presenciou a cortejar Tamar, embora eu estivesse tramando um pecado horrendo para cobrir de vergonha aos meus filhos. Porque depois daquele vinho eu transgredi os mandamentos de Deus e tomei uma das mulheres dos cananeus por esposa. Meus filhos, quanta discrição deve ter o homem que se entrega ao vinho? A verdade é que uma pessoa só deve beber até ao ponto em que a sua dignidade não se comprometa. Mas se for além desse limite, o espírito do engano dominará a sua mente, pois a embriaguez o levará a pronunciar coisas torpes e a praticar ações das quais se envergonhará – talvez até para resgatar um pouco da própria honra.

15
       Se alguém comete fornicação, deve estar preparado para sofrer a desgraça, pois a sua vergonha há de ser manifesta. Porque se um homem comete fornicação, embora sendo rei, ele estará abrindo mão do seu reinado para se tornar escravo do pecado; e eu sei disso porque passei pela experiência. Eu dei o meu bastão, o qual é esteio da minha tribo, e dei também o meu cinto, que é símbolo do meu poder, e, além disso, abri mão da minha coroa – glória do meu reino.
     
    É claro que me arrependi dessas coisas e é por isso que não tenho tomado vinho nem comido carne até ao dia de hoje, pois nunca mais voltei a ter alegria. E um anjo de Deus me mostrou que as mulheres darão ao rei o mesmo tratamento que os mendigos recebem; do rei arrebatarão a glória, e do homem bravo roubarão a força, e até do mendigo elas tirarão a miséria.

16
       Por isso, meus filhos, sejam moderados com o vinho, pois ele encerra quatro espíritos maus. O primeiro é a luxúria; o segundo é a ira; o terceiro é a confusão; o quarto é o lucro ilícito. Contudo, se vocês beberem apenas por alegria, com pudor e no temor do Senhor, é certo que viverão. Porque qualquer que abusa do vinho e abandona o comedimento, há de perder o temor do Senhor. Portanto, ainda que não venham a beber tanto, sejam cautelosos para não pecar com palavras injuriosas, ou com brigas, ou com calúnias, e assim venham a transgredir os mandamentos do Senhor. Porque se dessa forma agirem, é certo que sereis ceifados antes do vosso tempo.
   
    Além do mais, aquele que está bêbado costuma falar demais, e acaba declarando a estranhos os segredos que Deus lhe confiou, e até pode compartilhar as confissões que lhe fez um amigo fiel. E foi exatamente isso que eu fiz quando me embriaguei, pois participei a uma mulher cananéia os segredos que o Senhor tinha reservado apenas a Israel. E o pior de tudo é que Deus havia me proibido de dividir tais coisas com o povo daquela terra.  Mas foi assim que descobri que o vinho também é a causa de todas as guerras e confusões.

17
       Pelo que agora vos ordeno, meus filhos: não amem o dinheiro nem se detenham diante da beleza de uma mulher; porque foi pelo engodo do dinheiro e pelos encantos femininos que me deixei cair aos pés de Betsuah, a cananéia. E agora entendo que por essas duas coisas a minha descendência há de ser arrastada para a impiedade. Porque mesmo dentre os homens sábios que nascerem da minha semente serão corrompidos por essas coisas, e por elas mesmas será diminuído o reino de Judá; o reino que o Senhor me prometeu por causa da minha obediência a Jacó.
      
  Porque eu nunca desobedeci a uma só palavra de meu pai, de modo que tudo aquilo que ele me ordenava, eu fazia.  Pelo que também Abraão, pai de meu pai, me abençoou ao dizer que eu serei rei sobre Israel e posteriormente Isaque o confirmou com as mesmas palavras. E eu sei que em mim será estabelecido um reino.

18
      Mas eu tenho lido no livro de Enoque o Justo, e sei que nos últimos dias vocês praticarão um grande mal. Tomem cuidado, meus filhos, com a for- nicação e com o amor ao dinheiro; escutem atentamente a Judá vosso pai, pois estas coisas vos farão desviar da Lei do Senhor e cegarão o enten- dimento das vossas almas, ensinando-vos a ser arrogantes, de sorte que não mais sentireis amor em relação aos vossos semelhantes. Elas [o amor ao dinheiro e a fornicação] vos apartarão de toda bondade e vos prenderão com laços de confusão que lhes roubará o sono, consumindo a vossa carne, retardando os sacrifícios do Senhor. Quem serve a estas duas paixões não se lembra da bênção de Deus, nem ouve ao profeta quando lhe fala, pois se aborrece com as palavras da piedade; de modo que aquele que ama o pecado não pode obedecer a Deus, porquanto esteja com cegueira de alma, e o seu dia seja escuro como a noite.

 19
       Meus filhos, o amor ao dinheiro conduz à idolatria; porque quando são seduzidos pelo dinheiro, os homens tomam nos lábios os nomes daqueles que não são deuses. E foi por amor ao dinheiro que eu mesmo perdi os meus filhos, sem me arrepender ou me humilhar. E se as orações de meu pai não houvessem sido ouvidas, eu teria morrido sem deixar nenhum filho.
     
  Mas o Senhor Deus de meus pais teve misericórdia de mim, pois com ignorância eu tinha precedido. Foi o espírito do erro que me enganou e como homem pequei, pois também sou carne que pelo pecado se corrompe. Eu me julgava invencível, mas tive de reconhecer quão fraco sou.

20
       Aprendi, portanto, que existem dois espíritos que operam sobre os homens: o espírito da verdade e o espírito do engano. Mas entre esses dois está o espírito do entendimento da mente. As obras da verdade e as obras da mentira estão gravadas no peito de cada homem, e a todos eles o Senhor conhece, pois não há como se esconderem dos seus olhos, e as suas obras estão sempre diante de Deus. O espírito da verdade testemunha todas as coisas e as condena e aquele que pratica o pecado não pode levantar os olhos perante o Juiz.

21
       Quanto a vocês, meus filhos, amem a Levi com obediência e jamais se exaltem contra ele, a fim de que não sejam completamente destruídos. Pois se a mim o Senhor entregou o reino, foi a Levi que Ele confiou o sacerdócio. Mas o próprio Deus determina que o rei esteja abaixo do sacerdote. O Senhor me entregou tudo que está sobre a terra, mas a Levi fez possuir as riquezas celestiais. Pois da mesma maneira que os céus estão mais altos que a terra, assim também deve o sacerdócio divino se sobrepor ao reino dos humanos.
    
   Deus escolheu Levi e o elegeu sobre vocês, a fim de atraí-los para perto Dele, e para que comam das primícias da sua mesa. Pois assim como no Oceano os justos e os injustos são lançados de um lado para o outro, alguns homens são levados para o cativeiro, enquanto outros são enriquecidos. Assim todos os povos da terra se agregarão em Levi; alguns sob o perigo e o cativeiro, mas outros enriquecendo através da pilhagem.
   
   Porque aqueles que dominam são como os grandes monstros do mar, que engolem os homens como se fossem peixinhos. Os filhos e filhas que nascem livres, eles tomam como escravos; casas, terras, rebanhos e dinheiro são levados em saque. E com a carne de muitos eles alimentam os corvos e os grous. E estes dominantes prosseguirão nesse mal, avançando a cada dia na sua cobiça. Serão falsos profetas que atormentarão e perseguirão os justos.
22
       Mas o Senhor fará que sobre eles venha um espírito de divisão e se levantará um contra o outro, e sobre Israel haverá guerras contínuas. Mas o meu reino será anunciado entre todos os povos da terra até as suas extremidades [fim dos tempos?], enquanto é vinda a salvação de Israel. Quando aparecerá o Deus de todos os justos. Então Jacó e todas as nações poderão descansar em paz. E Ele será o Guardião do meu reino para sempre. Pois o Senhor com juramento me prometeu que o reino jamais será retirado de Judá e da sua descendência por todos os dias enquanto durar a eternidade.

23
       Eu, porém, sinto grande aflição, meus filhos, devido à lascívia, a bruxaria e a idolatria que vocês praticarão em meu reino, pois sei que vocês se tornarão seguidores daqueles que possuem espíritos familiares, e de adivinhos, e que hão de servir aos demônios. Vocês transformarão as vossas irmãs em prostitutas e se misturarão com as abominações do paganismo.
    
   Em conseqüência do vosso amor a estas coisas, o Senhor trará a fome, a peste, a espada e a morte. Sereis cercados por vossos inimigos e insultados até pelos vossos amigos, os vossos filhos irão para a matança e as vossas esposas serão violentadas. As vossas posses serão saqueadas e o templo de Deus será incendiado, porquanto de agonia será coberta a vossa terra e sereis levados cativos para todas as partes do mundo. Alguns de vossos filhos serão feitos eunucos para as esposas daqueles que vos oprimirem. Até que com um coração reto vos arrependais e andeis nos mandamentos de Deus. Então o Senhor se lembrará de vós e vos fará retornar do cativeiro dentre as nações.

24
       Passadas essas coisas, a estrela da paz nascerá para vós desde Jacó. E da minha descendência surgirá um Homem que será o Sol da Justiça para habitar entre os homens com mansidão e justiça. Nele não se achará pecado nenhum, pois os céus se abrirão sobre Ele e lhe virá o Espírito da bênção do Pai Santo. Ele derramará o Espírito da graça sobre cada um de vocês, pois Nele todos se tornarão filhos da verdade, de modo que obedecerão aos seus mandamentos para sempre. Ele é o Ramo do Deus Altíssimo e a Fonte da qual a vida é dada a todos os homens.
     
  Neste dia resplandecerá o cetro do meu reino, pois da sua raiz nascerá um broto e desse broto sairá uma vara de justiça que será sobre as nações, para julgar e para salvar a todos quantos invocarem ao Senhor.

25
       Depois disso, Abraão, Isaque e Jacó retornarão à vida, e eu e os meus irmãos seremos príncipes sobre as tribos de Israel. Primeiro Levi, e eu logo em seguida. José vem em terceiro, e Benjamin em quarto. Simeão é o quinto, e Issacar é o sexto; os demais seguirão a ordem. O Senhor deu a sua bênção a Levi, e o Anjo da sua Face me elegeu. Ele deu poder e glória a Simeão. O céu é de Ruben. A terra de Issacar é. O mar a Zebulom pertence. As montanhas são de José. De Benjamin é o tabernáculo. Os luminares são de Dan. A Naftali foi entregue o Éden. O sol pertence a Gade, assim como a lua é de Aser.
    
   Vocês serão o povo do Senhor e terão uma só língua. Lá não haverá nenhum espírito do engano, pois o próprio Belial há de ser atirado ao fogo eterno. Aqueles que morreram tristes, com alegria ressurgirão. Os que se tornaram pobres por amor ao Senhor, enfim serão enriquecidos; e aqueles que se entregaram à morte por amor do Senhor se levantarão para a vida. Nesse dia a gazela de Jacó saltará de prazer e as águias de Israel voarão com alegria. E todos glorificarão ao Senhor para sempre.

26
       Por isso, meus filhos, estejam em tudo atentos a Lei do Senhor, pois recompensa há para aqueles que permanecem nos seus caminhos.
  
   Então Judá falou aos seus filhos:
   
    Eis que hoje morro diante de vossos olhos, aos cento e dezenove anos de idade. Que ninguém me sepulte com vestes caras, nem sobre as minhas entranhas se levante pranto; deixem que os reis assim o façam. Apenas me transportem daqui para Hebron.
     
   Assim morreu Judá, depois de haver pronunciado estas palavras. E os seus filhos trataram de fazer conforme a tudo quanto ele ordenou, e o sepultaram em Hebron com os seus pais.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe o seu comentário, opine, tire suas dúvidas e ajude-nos a melhorar o conteúdo desta página. Muitíssimo obrigado.